Palestra para Motoristas

Palestra para Motoristas
Arquivo: HighPluss Treinamentos, 2017.

domingo, 29 de julho de 2012

Audiência pública recebe propostas para o VLT de Santos

VLT Santos
Veículo Leve sobre Trilhos. Modal deve ligar as cidades de São Vicente e Santos, no Litoral Paulista em 2014. A EMTU realiza audiência pública para receber propostas das empresas interessadas em venderem os veículos para o Governo do Estado de São Paulo. Ilustração

Entrega das propostas para VLT de Santos será realizada nesta sexta-feira
Fase da licitação é para a compra dos trens.
ADAMO BAZANI – CBN

As empresas interessadas em participarem da licitação do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) da Baixada Santista, para venderem ao Governo do Estado os trens, devem apresentar as propostas nesta sexta-feira, dia 27 de julho de 2012, na sede da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.
A audiência pública vai ser realizada às 10 horas da manhã.
Esta fase da licitação não se trata das obras, mas dos veículos e da tecnologia de sinalização e operação geral.
O Governo do Estado deve adquirir 22 VLTs – Veículos Leves sobre Trilhos. A concorrência é internacional e podem participar empresas e consórcios.
A assinatura do contrato deve ser feita em setembro de 2012. O primeiro VLT deve ser entregue em abril de 2014 e a frota total em dezembro deste mesmo ano, segundo estimativa do Governo do Estado de São Paulo.
A previsão é de investimentos de R$ 284,3 milhões só nos trens de média capacidade.
Os veículos leves vão trafegar no primeiro trecho do SIM – Sistema Integrado Metropolitano – que compreende a ligação entre o Porto de Santos e o Terminal Barreiros, em São Vicente, com extensão da Conselheiro Nébias e Valongo, em Santos.
Cada composição de VLT deve ter largura de 2,65 metros e comprimento de 44 metros, capacidade para 400 passageiros. Os veículos podem chegar a 80 km/h, com velocidade média de 25 km/h. A composição deve ter ar condicionado e embarque na mesma altura da plataforma, facilitando o acesso para portadores de deficiência física.
TRENS DA CPTM:
O Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ao lado do Secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, anunciou nesta quinta-feira mais R$ 165 milhões em investimentos para a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.
A verba será usada para a construção de um complexo de manutenção nas imediações da Estação Presidente Altino.
A área vai ter 30 mil metros quadrados de edificação. No local será possível revisar e reformar trens. O complexo vai abrigar laboratório técnico, eletrônico, área para armazenamento de peças e resíduos industriais.
As empresas que vão construir o espaço e fornecer os equipamentos fazem parte de um consórcio e são as seguintes: Trail, Tiisa e Cosben.
O galpão principal deve ter 15,5 mil metros quadrados e terá capacidade para revisão simultânea de seis composições, cada uma com quatro carros (carro é o nome mais indicado para o “vagão de passageiro”).
A pintura dos trens e lavagem de peças e componentes vão ser realizadas em outro galpão de 5,7 mil metros quadrados.
O governo do Estado disse que a área deve gerar cerca de 450 empregos diretos.
Alckmin e Jurandir Fernandes participaram nesta quinta-feira da entrega de mais dois trens novos para a linha 8 Diamante (Júlio Prestes – Itapevi).
Cada composição terá 8 carros. Elas são dotadas de equipamentos de sinalização sonora, itens de acessibilidade para quem possui deficiência visual e de locomoção, além de sinais maios eficientes de abertura e fechamento das portas.

Publicado em 27/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Empresas estrangeiras querem vender VLT para sistema de Santos

VLT
VLT de Bodeaux. A EMTU recebeu nesta sexta-feira as propostas de duas empresas e dois consórcios interessados em fabricarem e venderem VLTs para o Governo do Estado de São Paulo. Os veículos devem ligar o Porto de Santos até o Terminal Barreiros, em São Vicente. O governo estima desembolsar R$ 284 milhões para comprar 22 veículos. Todo o sistema deve custar R$ 855 milhões e ter 15 quilômetros. A capacidade de atendimento na primeira fase será de 70 mil passageiros por dia.
Duas empresas e dois consórcios entregam propostas para VLT de Santos
Empresas devem vender 22 Veículos Leves sobre Trilhos para o Governo do Estado de São Paulo. Linha vai unir municípios de Santos e São Vicente.
ADAMO BAZANI – CBN

Duas empresas e dois consórcios entregaram nesta sexta-feira, dia 27 de julho de 2012, as propostas para venda ao Governo do Estado de São Paulo de 22 VLTs – Veículos Leves sobre Trilhos.
Participam oficialmente da licitação:
EMPRESAS:
- Construcciones Y Auxiliar de Ferrocarriles S.A.
- Pojazdy Szynowe Pesa Bydgoszcz.
CONSÓRCIOS:
- Consórcio Alstom: formado por Alstom Brasil Energia e Transporte Ltda e Alstom Transport S.A.
- Consórcio TREMVIA SANTOS: constituído por Trans Sistemas de Transportes S.A. e Vossloh España S.A.
Os veículos vão operar a primeira fase do SIM – Sistema Integrado Metropolitano entre o Porto de Santos e o Terminal Barreiros, em São Vicente, além do trecho entre Conselheiro Nébias e Valongo, em Santos.
A vencedora deve ter o nome divulgado em setembro deste ano. O primeiro veículo deve ser entregue em abril de 2014 e a frota completa até março de 2015.
O Governo do Estado estima investir só nos veículos R$ 284,3 milhões.
Também será realizada a licitação para o fornecimento de sistemas de energia, sinalização, telecomunicações, bloqueios, controle de tráfego, catracas e guichês. O edital deve ser publicado na próxima semana.
DIVERSAS LICITAÇÕES PARA O SISTEMA:
O VLT de Santos ou da Baixada Santista, como é popularmente chamado o SIM – Sistema Integrado Metropolitano, tem sua implantação em diversas etapas.
Além destas duas licitações, a da venda dos trens e da sinalização e outros equipamentos, há os certames para os projetos e obras.
Em agosto deste ano, o Consórcio Projeto VLT deve concluir o projeto executivo que elabora desde fevereiro, para o trecho de 11 quilômetros entre o Terminal Barreiros (São Vicente) e o Porto (Santos).
Até setembro deste ano, o Consórcio Projetos SIM RMBS deve concluir:
- Projeto básico e executivo do trecho Conselheiro Nébias a Valongo (4 quilômetros)
- Projeto básico entre Barreiros e Samaritá (7,4 quilômetros) e entre Conselheiro Nébias e Ponta da Praia.
- Projeto Funcional entre Samaritá e Terminal Tatico (7 quilômetros).
Depois de problemas judiciais e de falta de estudo de impacto ambiental e urbano, a licitação para as obras foi retomada em abril, com a entrega da documentação técnica para a pré – qualificação das empresas interessadas em realizar as intervenções.
São cinco consórcios habilitados. A fase agora é a de análise de recursos das participantes.
A previsão do Governo quanto às obras é a seguinte:
- Até agosto: publicação dos dois editais de contração dos Consórcios que devem fazer as obras entre Barreiros (São Vicente) – Porto (Santos), que é o trecho prioritário, e a extensão entre Conselheiro Nébias e Valongo.
- Setembro / Outubro: Início das obras.
- Primeiro Semestre de 2014: entrega das obras.
Os prazos podem ser modificados com o tempo por fatores como entraves jurídicos, alterações climáticas para as obras ou problemas na execução das intervenções.
O SIM/VLT (Sistema Integrado Metropolitano/Veículo Leve sobre Trilhos) deve em seus 15 quilômetros custar R$ 855 milhões. A capacidade total de atendimento será de 70 mil passageiros por dia na primeira fase e será integrado às linhas de ônibus municipais e intermunicipais do Litoral Paulista. Para isso, o Governo do Estado promete criar infraestrutura que deve contar com estações de transferência, terminais, pontos de parada com acessibilidade para pessoas com deficiência física, auditiva ou visual, além de ter uma ciclovia em parte de seu percurso.
A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – estima com a obra reduzir em até 23% a frota de ônibus intermunicipal entre Santos e São Vicente, com o número de linhas caindo de 52 para 32.
O poder público também promete a redução de tempo de viagem e integrações tarifárias com o VLT.
Os veículos, cuja audiência de entrega de propostas para fornecimento ocorreu nesta sexta-feira, devem ter capacidade de transportar 400 passageiros. A largura de cada composição será de 2,65 metros e o comprimento de 44 metros.
A velocidade média que pode ser empreendida pelos VLTs deve ser de 25 quilômetros por hora e a máxima será de 80 quilômetros por hora.

Publicado em 27/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

domingo, 22 de julho de 2012

Distrito Federal deve ter fábrica de ônibus chinês

onibus eletrico chines
Na busca por tecnologias limpas em transporte coletivo sobre pneus, a China possui experiência com ônibus elétricos. O país está de olho no mercado brasileiro e neste sábado deu um passo importante para seu objetivo. Em setembro vai circular a título de testes o primeiro ônibus chinês no Distrito Federal, que deve abrigar uma fábrica destes veículos. Foto de ilustração

Distrito Federal terá ônibus elétrico chinês em setembro
Veículo fará testes na Capital Federal. Fábrica deve ser instalada na região já para fornecer ônibus até a Copa do Mundo de 2014.
ADAMO BAZANI – CBN

As soluções de veículos de transporte coletivo sobre pneus menos poluentes estão cada vez mais presentes no dia a dia das cidades que sabem que o transporte público é uma das principais soluções para o trânsito e poluição, já que pode reduzir o excesso de veículos particulares.
No entanto, os ganhos ambientais dos transportes públicos podem ser ampliados com a adoção de tecnologias de tração que não poluem. Como todos sabem, não é possível tecnicamente e nem financeiramente levar os tão necessários trens e metrôs para todas as partes de uma cidade. Daí, a flexibilidade e a importância dos ônibus. Nem nos países com tradição ferroviária mantida, os ônibus são colocados em segundo plano.
E quanto menos eles poluírem, melhor.
Ao mesmo tempo, não é de hoje o interesse da indústria chinesa no setor de ônibus no Brasil, um dos maiores do mundo.
Alternativas de ônibus não poluentes, ou menos poluentes, o Brasil tem. Mas a China deve ter uma fábrica de ônibus elétrico, diferente dos trólebus, que precisam da rede aérea de fios, e dos híbridos, que necessitam de um motor a combustão.
Neste sábado, o Governador do Distrito Federal, Agnelo Queiróz, em viagem especial à China, anunciou que em setembro começa a circular em testes o primeiro ônibus elétrico chinês. O Distrito Federal deve ter uma fábrica destes veículos e já preparar as primeiras unidades para a Copa do Mundo de 2014.
SEGUE ABAIXO A NOTA COMPLETA DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL:
O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, anunciou neste sábado (21) em Xangai, na China, que chegará em setembro a Brasília o primeiro ônibus elétrico para testes. Em viagem oficial, o governador destacou que investir na melhoria do transporte público no DF é prioridade da atual gestão. Ele explicou que o diferencial do ônibus elétrico é o uso de energia limpa, o que o torna ecologicamente correto.
“Nosso objetivo é instalar uma fábrica desses carros levar uma fábrica desses carros para se instalar no Distrito Federal, se constituindo em uma plataforma para o Brasil”, anunciou Agnelo Queiroz. Ele afirmou, ainda, adiantando que esses ônibus serão utilizados já na Copa do Mundo de 2014. “Um ônibus com energia limpa, boa autonomia, não poluente, que não faz barulho e não trepida, é muito confortável para o usuário e contribui com a sustentabilidade”, completou.
O presidente da TCB, Carlos Koch, que integra a comitiva do governador, explicou que o Governo do Distrito Federal trabalha nesse projeto desde 2011. O ônibus apresentado a Agnelo Queiroz e a integrantes do GDF hoje em Xangai foi desenvolvido especialmente para testes de campo em Brasília. Quando começar a circular pela capital, será possível avaliar aspectos de engenharia, adaptação às rodovias da região e, então, promover as alterações necessárias.
O veículo foi apresentado à delegação brasiliense pelos próprios dirigentes da fábrica de ônibus elétricos, Shuaihong Yuan, da Rui Hua New Energy; Huang Kunda, da Chang Long Bus, e João Eugênio Medeiros, da S4 Clean Energy. O ônibus será embarcado em navio no próximo dia 28, para, no prazo de dois meses, iniciar as aferições e a adaptabilidade do transporte na capital.
Atualmente, circulam pela China cerca se 1,5 mil ônibus elétricos, o que faz do país referência no uso desse tipo de veículo.
A comitiva do Distrito Federal também conheceu hoje a fábrica de painéis solares Chaori Solar, outra empresa que se destaca pelo uso de energia limpa.
Missão – A viagem faz parte da missão internacional do governador, que começou em 13 de julho e já passou por Dubai e Cingapura. Da China, a comitiva brasiliense segue para Alemanha e Itália. O objetivo da missão é divulgar Brasília como centro tecnológico e digital; conhecer os modelos dos melhores polos digitais do mundo e trocar experiências no setor de mobilidade e planejamento urbanos.
Além do governador, integram a comitiva os secretários de Estado de Desenvolvimento Econômico, Abdon Henrique de Araújo, e de Comunicação Social, Samanta Sallum; o porta-voz, Ugo Braga; a chefe da Assessoria Internacional do GDF, Flávia Malkine; os presidentes da Terracap, Antônio Carlos Lins, e da Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB), Carlos Alberto Kock; o diretor-presidente da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa), Vinicius Benevides, além dos deputados distritais Patrício (presidente da Câmara Legislativa) e Cristiano Araújo, bem como o presidente da Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra), Antônio Rocha.

Publicado em 22/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus
Nota: Secretaria de Comunicação Social do Distrito Federal

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Europa avança na tecnologia Euro 6



O Brasil, por enquanto, engatinha na consolidação da tecnologia Euro 5, prova disso é que os caminhões com esta motorização quase ainda não têm procura do consumidor e as fabricantes creditam as baixas vendas do ano, em parte, a esta mudança de legislação, ocorrida em janeiro passado. Se por aqui, estes motores menos poluentes ainda não caíram no gosto do consumidor, na Europa, as montadoras já se preparam para o aumento do consumo do Euro 6.
É bem verdade que a comercialização dos caminhões Euro 6, por lá, ainda está em um nível modesto. Desde fevereiro passado, é possível certificar os veículos de acordo com esta nova regulamentação, mas ainda há dois anos para que esta exigência se torne compulsória a todos os caminhões. A baixa procura deste tipo de veículo no continente se dá pelos mesmos problemas, enfrentados aqui, com o Euro 5: o preço. Com a exigência de se baixar o nível de emissão é necessário investir em mais tecnologia, o que encarece o caminhão.
Apesar disso, as montadoras já investem em tecnologia pensando no aumento desta demanda. Uma das possíveis soluções para este entrave é um pacote de incentivos a esta tecnologia dado pelos governos europeus.
Enquanto isso não acontece, as fabricantes continuam aprimorando os motores. A Volvo, por exemplo, está apresentando o motor D13 460 hp, que equipará um terço dos caminhões da marca. A normatização Euro 6 possui padrões rígidos de emissão, com exigência de propulsores que minimizem em 77% o volume de Óxido de Nitrogênio emitido e cortem, pela metade, a quantidade de material particulado soltado na atmosfera.


“O Volvo FH ganhou um novo motor mais rápido e mais eficiente em termos de energia. Os primeiros caminhões com esta nova tecnologia serão entregues na primavera em 2013”, afirmou Mats Franzén, gerente de estratégia e plano de engenharia para Volvo Caminhões.
Embora acredite na qualidade deste novo motor, o executivo não consegue precisar quando a procura por esta nova tecnologia aumentará. “Atualmente, está difícil determinar quanto de demanda terá. Passando a oferecer o nosso motor mais popular em versão Euro 6, nós vamos ao encontro da necessidade da maioria dos nossos consumidores. O restante da gama de motores, adequados a esta nova tecnologia, será lançado bem antes de que ela se torne obrigatória, em janeiro de 2014”, declarou.
Assim como os motores Euro 5, os novos propulsores possuem seis cilindros em linha e sistema de exaustão SCR. Para conseguir cumprir as metas de emissão requeridas, também é usado o sistema EGR, assim como o filtro de material particulado, tecnologia usada pela Volvo já há alguns anos nos EUA e Japão.

Fonte: Webtranspo
Publicado em 20/07/2012 por Rafael Brusque Toporowicz no site http://blogdocaminhoneiro.com/europa-avanca-na-tecnologia-euro-6/

terça-feira, 17 de julho de 2012

Novo aumento do diesel deve influenciar em passagens de ônibus e fretes dos caminhões

onibus
Aumento do valor no diesel, anunciado pela Petrobrás na semana passada, deve impactar o valor dos fretes de carga, que pode ser repassado ao preço dos produtos, e nas tarifas de ônibus que não tiveram aumento neste ano. Empresários de ônibus rodoviários do Rio Grande do Sul e de urbanos no ABC Paulista, por exemplo, já refazem os cálculos.

Aumento do diesel já influencia pedido de reajuste das passagens de ônibus
Associações de Empresários cujos serviços não tiveram reajuste de tarifa, já refazem os cálculos para solicitações de aumento ao poder público.
ADAMO BAZANI – CBN

O aumento de 6% do diesel nas refinarias, que pode ficar na casa dos 4% nas bombas, vai pesar no bolso do trabalhador.
Por causa do reajuste, os caminhoneiros cogitam a possibilidade de aumentarem o valor dos fretes. Os custos de frete são repassados de forma acumulada em efeito cascata no valor final dos produtos, que engloba o custo do transporte da matéria prima, de componentes, do produto finalizada das fábricas para as distribuidoras e por fim das distribuidoras até o estabelecimento comercial.
O Movimento Brasil Caminhoneiro, que representa os motoristas e transportadores autônomos, anunciou a possibilidade de uma greve geral da categoria em todo o País para o próximo dia 25 de julho. Entre as queixas da categoria está o valor do frete, considerado baixo pelos profissionais.
Quem anda de ônibus, urbano ou rodoviário, deve sentir o reajuste também.
Algumas associações de empresas de ônibus, cujas tarifas ainda não tiveram aumento, já fazem novos cálculos para pedirem os reajustes ao poder público.
É o caso da RTI – Associação Rio-grandense de Transporte Intermunicipal. A entidade representa as companhias que fazem viagens de médio e longo percurso em ônibus de características rodoviárias.
A RTI solicitou ante do aumento diesel, reajuste nas passagens a Agergs – Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul, que estudava índices entre 5% e 6%. Mas os empresários agora revisam os cálculos e devem pedir 7% de aumento nas passagens. A Agência deve dar uma resposta em até 10 dias.
Em outras cidades, onde não houve aumento de tarifas, como as que formam o ABC Paulista , também deve ter alteração no pedido dos empresários. Na região, as tarifas podem chegar a R$ 3,25, nos serviços municipais. O aumento deve ocorrer depois das eleições municipais ou no ano que vem. Hoje, em boa parte das cidades, a passagem custa R$ 2,90. O índice, de 12,6%, é considerado alto, mesmo com o aumento dos custos de diesel, mão de obra, pneus, compra de ônibus e depreciação nos valores dos veículos.
Nas cidades onde o reajuste da tarifa já ocorreu, este aumento deve ser repassado em 2013.

Publicado em 16/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Negociações para ônibus híbrido em mais cidades estão avançadas

Híbrido da Volvo vai circular em mais cidades do País, além de São Paulo e Curitiba
Negociações estão avançadas no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.
ADAMO BAZANI – CBN

Em testes desde o ano passado em diversas cidades e apresentado oficialmente na Rio +20, a Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, o ônibus elétrico híbrido produzido no Brasil pela Volvo já começa a circular este ano em Curitiba e na Capital Paulista.
No total, entre este ano e 2013, devem ser 60 unidades em Curitiba e 50 em São Paulo.
Mas as negociações para outros sistemas estão avançadas para que os ônibus menos poluentes , com dois motores, comecem a operar, segundo revela o gerente comercial da Volvo na América Latina, Euclides de Castro.
Entre os locais que terão os novos veículos estão o Parque Nacional das Cataratas do Iguaçu, Porto Alegre, Campinas e Brasília, de acordo com o executivo.
Os ônibus híbridos funcionam com motor elétrico em velocidades de até 20 quilômetros por hora, depois entra em operação o motor a combustível, que pode ser movido com diesel S 50 (que atende às novas exigências de redução da poluição, seguindo a tecnologia Euro V) ou biodesel.
É justamente nos momentos de operação do motor elétrico do híbrido que os ônibus convencionais mais poluem. Por isso, os ganhos ambientais do modelo são aumentados.
A redução da poluição pelo híbrido pode ser de 50% a 90% dependendo do material lançado no ar e a economia no consumo de combustível chegar a 35%.
CONFIRA O VÍDEO DO CANAL DO ÔNIBUS. A REPORTAGEM É DE ADAMO BAZANI, A PRODUÇÃO É DE NICOLLE FANTINATI E OS TRABALHOS TÉCNICOS, DE CLÁUDIO LOPES:

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Tradutor na Argentina prova a força humana do ônibus, muito mais que um veículo, um agente na sociedade

colectivos
Algo cultural na Argentina e que chamou a atenção do viajante urbano Daniel Turnnad foram os próprios ônibus. Há veículos operados por empresas mais profissionalizadas e outros por companhias menores, muitas vezes, com o dono da empresa sendo o próprio motorista. A diversidade de cores dos veículos, todos enfeitados também chama a atenção. Foto: Daneil Turnnad.

Inglês conhece Buenos Aires andando em todas as linhas de ônibus da cidade
Façanha rendeu livro e provou que o ônibus, muito mais que transporte, é um espaço de convivência
ADAMO BAZANI – CBN

Todos têm a noção, mas nem todos se dão conta.
Os ônibus, sejam urbanos ou rodoviários, não são meros veículos, mas agentes sociais.
Eles ligam as pessoas ao trabalho, ao estudo, ou seja, à perspectiva de um futuro melhor, aos serviços, como de saúde, e são importantes até para quem não anda de transporte público e não deixa seu carrinho popular ou carrinho de luxo por nada neste mundo.
Se você é dessas pessoas, imagem se todos no mundo fossem iguais a você. Iam ser mais centenas de carros congestionando o seu caminho e poluindo mais ainda o seu ar.
As janelas dos ônibus são janelas para o mundo. Delas é possível ver a arquitetura das cidades, que revelam história, a riqueza, a miséria, o belo, o feio, a natureza ao longo das estradas, e a degradação ambiental.
coletctivos
O inglês Daniel Turnnad decidiu fazer algo inusitado e interessante. Sabendo da força de unir pessoas de diversas realidades, o tradutor, que mora há 13 anos em Buenos Aires passeou por todas as linhas da cidade e pode presenciar vários mundos dentro do município. Foto: Daniel Turnnad.

O ônibus é um espaço de convivência, mesmo sem interação direta, às vezes. Neste mágico veículo estão pessoas do bem, pessoas do mal, trabalhadores, estudantes, pessoas com melhor renda, pessoas na pobreza, religiosos, ateus, enfim, tipos humanos.
Vendo a riqueza do ônibus, e querendo conhecer melhor a cidade onde mora já há treze anos, o inglês Daniel Turnnad decidiu por em prática uma façanha que já tinha em mente: andar nas 140 linhas completas dos coletctivos de Buenos Aires.
A aventura durou 7 meses. Por duas vezes na semana, ele viajava 11 horas de ônibus urbanos. No total, Daniel Turnnad percorreu com os colectivos, 13 mil quilômetros.
Ele percebeu que a Argentina era muito mais que a Casa Rosada, os estádios de futebol e os pontos turísticos clássicos.
Há mundos em Buenos Aires muito além do centro da capital e do bairro nobre onde mora, Belgrano.
Em 2009, Daniel tentou fazer a mesma experiência, mas depois de sete viagens, achou a atividade chata e exaustiva.
Mas sua iniciativa inicial chamou a atenção da mídia, o que o motivou a pegar firme no projeto que batizou de Colectivaizeishon, em setembro.
Além de interagir com as pessoas, espontaneamente, ele passou a ser um observador mais atento dos ônibus.
Parte dos veículos de transportes coletivos em Buenos Aires já é um espetáculo e revelaculturas do passado e da atualidade. Alguns serviços ainda são operados pelos donos dos próprios ônibus, veículos simples e predominantemente coloridos. Outros já fazem parte de empresas profissionais, com ônibus mais novos.
Daniel, que é tradutor, teve contato com diversas realidades, passou por bairros nobres e por favelas.
Nelas, ele pode derrubar vários mitos, como de que favela é local de violência apenas. Apesar das situações precárias, também são lugares marcados por pessoas alegres.
“Terminei achando a cidade muito menos violenta do que eu costumava pensar. Eu senti medo algumas vezes, por meus temores, minha própria imaginação, mas nada me aconteceu” – disse Daniel que além de escrever o livro, mantém um Blog e colunas nos jornais La Razón e Argentina Independent.
colectivos
Bairros tradicionais e locais impressionantes de Buenos Aires podem também ser vistos pelas janelas dos ônibus urbanos. Foto: Daniel Turnnad.

Uma coisa que chamou a atenção do tradutor foram os santos e enfeites que os motoristas penduram nos ônibus, deixando-os como parte da cultura local.
A saga de Daniel Turnnad deve continuar dentro dos ônibus e mais viagens devem ser feitas apesar de todas as linhas terem sido percorridas: é que deve surgir um filme sobre as viagens.
O blog de Daniel pode ser visto no seguinte link:
http://danieltunnard.blogspot.com.ar/2012/04/idiot-who-really-did-take-all-buses-in.html
colectivos
Os transportes em alguns pontos de Buenos Aires mantém características bem típicas do começo dos serviços, quando as pessoas pegavam os veículos fora dos pontos e até no meio das ruas, segundo Daniel Turnnad.

Publicado em 12/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Ônibus híbrido tem agradado cada vez mais cidades

ônibus híbrido
Ônibus elétricos híbridos pela relação custo-benefício e pela flexibilidade têm sido uma das soluções mais aplicadas em cidades que querem modernizar os transportes coletivos sobre pneus e os tornarem ambientalmente eficientes. Nova Iorque tem cerca de 2 mil unidades. Volvo anuncia que já vendeu modelo para 18 países, inclusive para a Suécia, onde a cidade de Gotemburgo – sede da marca – fez uma das encomendas mais recentes (foto). Em São Paulo e Curitiba, já começam a operar neste ano. Na Capital Paulista e na região do ABC elétricos-híbridos da empresa Eletra já circulam há alguns anos. Foto: Volvo


Volvo comercializa híbrido em 18 países
Veículos possuem dois motores, um elétrico e outro a combustão. Modelos devem circular este ano em São Paulo.
ADAMO BAZANI – CBN

A solução de ônibus elétrico-híbrido para que a mobilidade nas cidades apresente qualidade e ao mesmo tempo menores impactos ambientais tem sido adotada em número cada vez maior.
Em Nova Iorque são cerca de dois mil veículos que funcionam com dois motores: um elétrico, que não polui, e outro a combustão, que por não operar integralmente e ser mais moderno, acaba poluindo menos.
No Brasil, o número de elétricos híbridos é pequeno. Desde 1997, a Metra, empresa que presta serviços no Corredor ABD, entre São Mateus e Jabaquara, passando por municípios do ABC Paulista, opera ônibus híbridos da Eletra. Na Capital Paulista, da mesma fabricante, circulam algumas unidades, em especial no Expresso Tiradentes, que liga o Sacomã, na zona Sul de São Paulo, e parte da zona Leste, ao centro, até as proximidades do Mercado Municipal.
Na Usina de Itaipu também opera um elétrico híbrido da Eletra, com o motor a combustão que funciona a etanol.
Este ano, depois de testes em diversas cidades em 2011, a Volvo apresentou o seu modelo, que já está em produção no Brasil.
A montadora garante que os veículos são mais modernos. A redução no consumo de combustível pode chegar a 37% e nas emissões de poluição, de 50% a 90%, dependendo do tipo de poluente. Se no motor a combustão, que já segue as normas de restrição de emissões, previstas pelo Proconve – Programa Nacional de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores – P 7, baseadas nas regras européias Euro V, for abastecido com biodiesel, integralmente ou em mistura, os ganhos ambientais podem ser maiores ainda.
As cidades de Curitiba e São Paulo já devem ter as primeiras unidades este ano: trinta no Paraná, que encomendou um lote de 60 veículos, e 50 para a Capital Paulista.
A Volvo informou em comunicado divulgado nesta terça-feira, dia 10 de julho de 2012, que o modelo, com características semelhantes aos produzidos no Brasil, já foi vendido para 18 países.
A produção no Brasil começou este ano, mas na Suécia, sede da fabricante, o modelo de dois motores é feito há dois anos. Estes 18 países foram responsáveis pela compra de 725 ônibus híbridos. As 260 unidades em circulação desde o início já rodaram o equivalente em quilometragem a 200 voltas ao redor do Planeta e, de acordo com a Volvo, com bons resultados.
Uma das vendas mais recentes foi de 25 unidades na cidade de Gotemburgo, na Suécia.
A cidade é sede mundial da Volvo e começou a investir mais intensamente em transportes coletivos que emitem menos poluição.
No local, o motor a combustão será abastecido com biodiesel, reduzindo ainda mais a poluição.
Tanto no Brasil, como nas outras cidades, as características básicas são as mesmas. Nos momentos em que um ônibus convencional mais polui, que é no arranque, nas paradas em pontos, congestionamentos e frenagens, no híbrido quem funciona é o motor elétrico. Após 20 quilômetros por hora de velocidade, entra em operação o motor a combustão. Em velocidades maiores, com desempenho melhor, os motores que queimam combustíveis são menos poluentes e menos barulhentos. Enquanto está funcionando, o motor diesel ou biodiesel gera energia elétrica que vai para baterias armazenadoras que alimentam o motor elétrico quando este entra em operação. O atrito dos freios e o que não é aproveitado quando o ônibus está parando gera energia que também vai para as baterias, é a frenagem regenerativa.
Assim, o ônibus elétrico híbrido não precisa ser alimentado em fontes externas. Ele vem de fábrica carregado e sua operação gera de forma autônoma a energia. As baterias duram em média cinco anos e podem ser trocadas.
A diferença em relação ao Brasil está no encarroçamento. Enquanto a própria Volvo pode fazer suas carrocerias na Suécia, no estilo monobloco, com chassi, carroceria e motores formando um bloco só, no Brasil, o mercado de carrocerias tem muita influência e costumeiramente, os frotistas compram o chassi na montadora e a carroceria em empresas especializadas. A produção brasileira de monoblocos foi até apenas a segunda metade dos anos de 1990, quando a Mercedes Benz fabricava o ônibus O 400, em diversas versões, todos a diesel e com tecnologia de emissão de poluentes bem limitada em comparação aos produtos de hoje por conta da época.
As duas cidades do País que terão o elétrico – híbrido vão operar os veículos com duas carrocerias diferentes: Marcopolo, em Curitiba, e Caio, em São Paulo.
O que tem conquistado o mercado em relação aos híbridos, independentemente da marca e das cidades, é que os veículos não são tão caros em comparação a outras soluções, como o ônibus com células de hidrogênio (que não deixa de ser um híbrido), e mais flexíveis sem dependerem, por exemplo, de rede aérea, como os trólebus, embora que uma ressalva se faz importante: os trólebus tendem a ser mais baratos, economicamente viáveis em corredores bem planejados e com pavimentação bem conservada, e não emitem nenhum poluente em sua operação.
Tanto com o híbrido como com o trólebus, a emissão de ruídos é baixa, com vantagem ainda para o trólebus.

Publicado em 11/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Número de passageiros cresce em São Paulo e frota dimunui

ônibus corredor
Demanda de passageiros de ônibus na Capital Paulista cresceu nos quatro primeiros meses deste ano em comparação ao mesmo período de 2011. Mesmo assim, frota de ônibus foi reduzida em junho de 2012 na relação com o mesmo mês do ano passado. Demanda de corredores variou muito entre os trajetos, ficando na media 2,41% menor. Foto: Adamo Bazani

Número de passageiros de ônibus cresce em São Paulo
Quantidade de usuários em corredor caiu, mas passageiros continuam destacando a importância de vias exclusivas para ônibus e querem melhorias.
ADAMO BAZANI – CBN

A quantidade de passageiros de ônibus transportados pelo sistema municipal de São Paulo cresceu este ano, de acordo com a SPTrans – São Paulo Transportes, que gerencia os serviços na Capital Paulista.
Em relação aos primeiros quatro meses do ano passado, a variação foi de 0,7%.
Neste período de 2012, a sistema registrou 947 milhões de pessoas usando ônibus municipais. O número é 3% maior que os 921 milhões de 2009.
A frota de ônibus entre junho deste ano e junho do ano passado teve uma pequena queda, passando de 15.033 veículos para 14.972 ônibus.
Apesar de a redução ser considerada pequena, com o aumento do número de passageiros, ela significa menor oferta de vagas no sistema de ônibus.
CORREDORES DE ÔNIBUS:
A situação dos corredores de ônibus de São Paulo, muitos se limitando a apenas serem faixas que não oferecem mais eficiência aos ônibus, como ocorre com o Transoeste do Rio de Janeiro, o Corredor ABD, do ABC Paulista, e da rede de Curitiba, apresenta dados que variam de acordo com situações pontuais.
Em comparação aos quatro primeiros meses do ano passado, no mesmo período de 2012, a demanda geral dos corredores caiu 2,41%.
A queda foi puxada pela situação do corredor Campo Limpo / Rebouças / Centro.
A demanda nesta ligação foi reduzida em 20,71% no quadrimestre por conta do prolongamento da linha 4 Amarela do Metrô, que absorveu uma parte da demanda dos passageiros que saíam da zona Oeste, e da conexão desta linha com o serviço 9 Esmeralda da CPTM.
Pelo transporte por trilhos ser mais rápido muita gente migrou para o sistema.
O corredor, no entanto, é considerado importante por passageiros entrevistados numa sondagem. Mais da metade dos que migraram para o metrô dizem que eventualmente ainda usam o corredor como opção quando a linha do metrô está superlotada.
Outros passageiros, principalmente os que fazem deslocamentos menores vêem vantagens no corredor por julgarem perder tempo nas estações lotadas.
No outro extremo dos números, o corredor de ônibus Inajar – Rio Branco – Centro registrou alta no número de passageiros de 13,38% por conta de várias linhas do sistema local servirem apenas até este corredor.
A variação entre os quatro primeiros meses de 2011 e 2012, nos corredores de ônibus de São Paulo é bem diferente entre os trajetos:
- Inajar / Rio Branco / Centro: +13,38%
- Paes de Barros: + 4,67%
- Pirituba / Lapa / Centro: + 1,98%
- Jardim Ângela / Guarapiranga / Santo Amaro: + 0,48%
- Expresso Tiradentes: – 1,35%
- Vereador José Diniz / Ibirapuera / Santa Cruz: – 3,26%
- Parelheiros / Rio Bonito / Santo Amaro: – 4,16%
- Santo Amaro / Nove de Julho / Centro: – 7,02%
- Itapecerica / João Dias / Santo Amaro: – 8,64%
- Campo Limpo / Rebouças / Centro: – 20,71%
Os passageiros reconhecem a importância dos corredores, mas pedem vias melhores para os ônibus.
Em todo o ano passado, o sistema de ônibus municipal transportou 2 bilhões e 940 milhões de passageiros.
A maioria pede mais estrutura para os ônibus.
Corredores com pontos de ultrapassagem nas paradas, para evitar filas de coletivos, sistema de pré-embarque, pelo qual o passageiro já paga a passagem na estação antes de o ônibus chegar, e embarque em nível, com o piso da estação na mesma altura do assoalho do ônibus, tornariam os corredores ainda mais atrativos e as viagens mais rápidas e confortáveis.

Publicado em 09/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

sexta-feira, 6 de julho de 2012

VIM de São Paulo terá ônibus híbrido da Volvo antes de Curitiba

ônibus
São Paulo deve ter ônibus elétrico híbrido da Volvo circulando antes mesmo que em Curitiba. Modelo com carroceria da Caio foi apresentado na Auto Sueco SP. A primeira empresa a ter os veículos mais econômicos e menos poluentes na Capital Paulista será a VIM – Viação Metropolitana. Foto: Adamo Bazani

São Paulo deve ter ônibus híbrido da Volvo antes de Curitiba
Dez unidades já estão sendo fabricadas e foram encomendadas pela VIM – Viação Metropolitana. Outros três grupos de transportes negociam com a Volvo pela Auto Sueco São Paulo.
ADAMO BAZANI – CBN

Um dos destaques da Rio + 20, Conferência das Nações Unidas sobre Sustentabilidade, ocorrida no mês passado, entre as iniciativas da industria para tecnologias limpas, foi o ônibus elétrico híbrido da Volvo.
Na ocasião, o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, anunciou a compra para cidade de 60 unidades, sendo que as trinta primeiras devem circular em linhas interbairros em setembro.
Mas a cidade de São Paulo deve ter o modelo elétrico-híbrido da Volvo circulando um pouco antes, também em setembro.
A revelação foi feira nesta quinta-feira, dia 05 de julho, ao Blog Ponto de Ônibus / Canal do Ônibus, pelo gerente comercial de ônibus da Auto Sueco SP (representante da marca), Wagner Nestlehner.
Os veículos foram encomendados pela VIM – Viação Metropolitana, empresa de um grupo de Pernambuco, que opera na zona Sul de São Paulo.
“Os dez ônibus elétricos híbridos da Metropolitana já estão sendo produzidos e devem ficar prontos antes mesmo dos veículos de Curitiba” – disse Wagner.
A diferença está na carroceria. Enquanto os veículos da capital paranaense são Marcopolo Viale BRT, os de São Paulo serão Caio Millennium III.
“Outros três grandes grupos de São Paulo negociam com a gente veículos elétricos híbridos, o que deve totalizar 50 unidades contando com os ônibus da Metropolitana, mas não podemos adiantar ainda os compradores pelo fato de o negócio ainda não ter sido fechado” – disse o gerente da Auto Sueco São Paulo.
O gerente comercial da Volvo na América Latina, Euclides de Castro, confirmou que o elétrico híbrido vai circular pelas ruas de São Paulo e acrescentou:
“Outros mercados já se interessaram pelo veículo. Porto Alegre, no próximo ano, deve também ter suas unidades” – disse o executivo.
O ônibus elétrico híbrido possui dois motores: um elétrico e outro de combustão que pode funcionar com diesel e biodiesel.
Ele pode reduzir em até 90% o nível de emissão de alguns tipos de poluentes e a redução de consumo de combustível chega a 35%, de acordo com a Volvo.
Nos momentos que os ônibus convencionais mais poluem, que são nos arranques e em baixas velocidades, funciona o motor elétrico. Após 20 quilômetros por hora, entra em operação o motor diesel, que já segue as novas normas de redução de emissão de poluentes vigentes no País, desde janeiro, baseadas na Euro V.
As informações foram confirmadas à reportagem durante a Caravana Volvo que passou por São Paulo.
Os ônibus de todos os modelos da linha Euro V da Volvo estiveram no pátio da Auto Sueco, na Marginal Tietê, com vários carrocerias.
Os chassis apresentados são de diversas configurações e trazem soluções para serviços mais simples, que contam com veículos de motor dianteiro, até os mais sofisticados, como biarticulados com piso baixo total e de dois andares com quatro eixos.
A Caravana Volvo percorre desde abril diversas cidades tanto no destino Sul como Norte do País.
O diretor executivo da Auto Sueco, Mário Oliveira, vê como positiva a ação de divulgação dos produtos da marca e diz que o ônibus é a solução mais adequada para resolver de maneira imediata os problemas de mobilidade das cidades.
“Ao contrário do que muitos pensam, na Europa, mesmo com o transporte de trilhos sendo forte, os serviços de ônibus não são colocados em segundo plano. Pelo contrário, são considerados essenciais e soluções. Aqui não pode ser diferente. E vemos hoje uma gama de ônibus mais moderna e adequada para as necessidades do País. Na Europa, as regras de restrição à emissão de poluentes são seguidas com mais rigor pelas transportadoras e estamos assumindo essa cultura agora, o que é positivo. A modernização das cidades passa pelos ônibus” – disse Mário Oliveira, português, há décadas no ramo de transportes.

Publicado em 06/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Ràdio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

terça-feira, 3 de julho de 2012

Metrô reduz 75% da poluição em São Paulo

metrô
Dados de pesquisa da Unifesp demonstram que o metrô pode reduzir em 75% os índices de poluição na cidade de São Paulo e, se a malha metroviária fosse expandida e conjugada com uma rede de corredores de ônibus, que também reduzem a poluição, a redução dos impactos ambientais, humanos e econômicos seriam significativos. Hoje 90% da emissão de poluentes vêm dos automóveis.

Metrô alivia 75% da poluição de São Paulo
Se malha fosse ampliada e conjugada com corredores de ônibus, o ar da cidade seria bem melhor, aponta estudo da Unifesp.
ADAMO BAZANI – CBN

Uma rede maior de corredores de ônibus junto com uma expansão bem planejada do Metrô.
Isso seria suficiente para reduzir de forma substancial os índices de poluição da cidade, de acordo com estudo da Unifesp – Universidade Federal de São Paulo.
Segundo o estudo, se o metrô deixasse de operar por um ano consecutivo, os índices de concentração de poluentes, pelo maior número de veículos nas ruas para suprir seus serviços, aumentariam 75%.
Atualmente, de acordo com o Instituto de Poluição Atmosférica da USP – Universidade de São Paulo, pelo menos 7 mil pessoas na cidade morrem por ano em decorrência de complicações de doenças causadas pela poluição.
Sem o metrô, o número de mortes ficaria entre 9% e 14% mais alto e os custos de saúde aumentariam anualmente US$ 18 bilhões, o que, do ponto de vista humano e econômico, já justificaria investimento na malha dos transportes públicos.
Para chegar a estes números, os pesquisadores da Unifesp compararam os dias com funcionamento normal do metrô com os dias de greve dos metroviários.
POLUIÇÃO POR CARROS AUMENTOU:
A Unifesp revela hoje que grande parte da poluição em São Paulo de dá por conta da emissão causada pelos veículos. Os carros são responsáveis por 90% dos materiais emitidos no ar.
Um dado preocupante, pois o percentual de pessoas que usam o transporte público na cidade não é mais tão significativo. Nos anos de 1980 eram 70% da população, hoje, são apenas 55%.
Os pesquisadores reconhecem também a importância dos corredores de ônibus.
Mesmo movidos a diesel, combustível que hoje pelas novas normas de restrição de emissão, está menos poluente, mas que ainda é responsável por lançar materiais no ar, os ônibus conseguem substituir uma grande quantidade de carros de passeio.
Um ônibus convencional, que mede pouco mais de 12 metros de comprimento, transporta o equivalente a 40 carros de passeio, que ocupariam mais de 160 metros para o mesmo serviço. Vale lembrar que hoje é comum ver a maioria dos carros só com o motorista ou no máximo com mais um carona.
Além disso, no corredor, os ônibus possuem um desempenho melhor e velocidades maiores quando este corredor é melhor planejado, com segregação total dos demais veículos nas ruas e com pontos de ultrapassagem. Operando perto dos níveis máximo de eficiência, hoje os ônibus poluem menos.
Quando os corredores de ônibus possuem veículos com tecnologia limpa, como elétricos híbridos e os trólebus, totalmente elétricos e que não emitem nenhum poluente em sua operação, os ganhos ambientais ainda são maiores.
Para chegar aos resultados, os pesquisadores compararam duas greves de metrô que ocorreram em 2003 e 2006. Foram analisados os dias de paralisação e comparados com três dias antes e três dias depois.
Para que os dados fossem mais confiáveis, eles foram comparados com os “dias de controle” que captam variações meteorológicas.

Publicado em 02/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Catarinense coloca mais ônibus novos em operação

Onibus
Catarinense tem investido em renovação de frota, mesmo com as incertezas ainda do setor de transportes quanto a licitação das linhas de ônibus interestaduais e internacionais gerenciadas pela ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres. No ano passado foram 31 ônibus, inclusive este modelo de maior altura e espaço. Neste final de semana, entraram em operação mais 15 ônibus, que contam com itens de segurança, que impedem por exemplo que os pneus arrastem em frenagens bruscas mesmo e pistas molhadas e que reduzem a velocidade do ônibus, independentemente da ação do motorista, de acordo com a velocidade do veículo que está a frente. Divulgação: Catarinense.

Catarinense anuncia renovação de frota
Empresa investiu R$ 15 milhões para a compra de veículos novos. Ônibus têm sistemas que evitam o arraste das rodas e que reduzem velocidade automaticamente em caso de risco de acidentes.
ADAMO BAZANI – CBN

Mesmo diante das indefinições quanto a maior licitação de ônibus rodoviários do País, a da ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres, que deve reorganizar toda a malha de linhas interestaduais e internacionais, e com os diversos pontos de divergência entre as companhias e o Governo Federal, as maiores empresas de ônibus do setor, até para se prepararem para o certame, continuam investindo pesado em renovação de frota.
E não se trata apenas de trazer ônibus mais novos.
Porém, veículos mais modernos, com design mais agradável, e acima de tudo confortáveis e seguros.
A Auto Viação Catarinense, uma das mais antigas companhias do País, criada em 13 de abril de 1928, colocou neste final de semana mais 15 ônibus zero quilômetro em circulação.
Os veículos são da geração Sete da Marcopolo, modelos Paradiso 1050 e Paradiso 1200.
Além dos itens de série dos veículos, como bancos com maior ergonomia, melhor isolamento térmico e acústico, suspensão a ar, carroceria com sistema de resfriamento das rodas e dos freios, os ônibus possuem transmissão Confort Shift e Opticuise. Operando de forma conjunta, estes dois sistemas aumentam a segurança dos passageiros, impedindo que os pneus arrastem mesmo em freadas mais bruscas em pistas molhadas.
Além disso, o ônibus é dotado de um equipamento que reduz a velocidade de acordo com a velocidade do veículo da frente, mesmo sem o motorista frear.
Os veículos já estão em circulação nos estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, áreas de atuação da companhia, e fazem parte de um segundo lote de ônibus novos.
No primeiro lote deste ano, foram comprados 15 ônibus, num total até agora de R$ 15 milhões em investimentos.
A renovação, no entanto, vem desde o ano passado, quando a companhia comprou 31 veículos também da Geração Sete da Marcopolo, sendo uma unidade do Paradiso 1600, mais alto e espaçoso, para os serviços executivos.
ônibus
Catarinense, empresa que opera desde 1928, tem uma frota de cerca de 350 ônibus que transportam mensalmente 490 mil passageiros. A idade média é de 4,7 anos. Substituição para novos veículos, com outro padrão visual, será aos poucos. Foto: Adamo Bazani.
Até o final do ano, promete a Catarinense, devem ser adquiridos outros 22 veículos, já com o novo padrão visual da empresa, que pertence ao Grupo JCA, que congrega outras companhias, como Viação Cometa, Auto Viação 1001, Macaense, Expresso do Sul e Rápido Ribeirão Preto.
A Catarinense possui cerca de 350 ônibus em sua frota, com idade média de 4,7 anos, que transportam 490 mil passageiros por mês.
Os ônibus mais antigos, com o padrão visual que marcou vários anos a empresa, serão substituídos aos poucos, de acordo com a companhia.

Publicado em 02/07/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus

domingo, 1 de julho de 2012

Governo autoriza reajuste para ônibus interestaduais e internacionais

Já estão valendo os novos preços das passagens, com aumento de 2,7% para as linhas que percorrem mais de 75 quilômetros; muitos usuários foram pegos de surpresa

Agência Brasil |
       
Começou a valer neste domingo (1º) o aumento de 2,7% nas passagens de ônibus interestaduais e internacionais de passageiros de linhas que percorrem mais de 75 quilômetros. O aumento foi autorizado na última quarta-feira (27) pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O reajuste não será aplicado ao transporte rodoviário interestadual e internacional semiurbano de passageiros, aqueles com distância até 75 quilômetros.

Apesar de o aumento estar previsto em contrato e de ser autorizado anualmente, muitos usuários desse tipo de transporte foram pegos de surpresa com o aumento. É o caso de Maria das Dores dos Santos, de 26 anos. Ela saiu na sexta-feira (29) de Parnaíba, no Piauí, às 9h30, para ir a Porto Velho (RO), onde conseguiu um trabalho como empregada doméstica. Como não havia ônibus que fizesse o percurso de forma direta, ela teve de vir primeiro a Brasília, onde chegou ontem (30), às 10h40.
Fabiano Rocha / Agência O Globo
Passageiros já estão pagando passagens mais caras para ônibus interestaduais e internacionais
O primeiro trecho da viagem – que faz acompanhada dos filhos Maílson e Neidson, de 13 e 14 anos – custou R$ 350. Só depois de chegar a Brasília, ela ficou sabendo do aumento das passagens para Porto Velho, e que teria de desembolsar R$ 908 para conseguir chegar ao destino. “Nossa viagem está sendo feita com o dinheiro contado. Eles tinham de nos deixar informados de que haveria esse aumento”, reclamou.

Entenda: Pedágio por distância percorrida é medida de longo prazo em SP
   
Leia mais: Mais dois ônibus são atacados em São Paulo
“Esse aumento não vem acompanhado da melhoria do serviço”, disse a agente funerária Karla Regina Vieira, de 39 anos, que vai de Brasília ao interior de Minas Gerais para uma audiência na Justiça, na qual cobra pensão alimentícia do pai de seu filho Luís Eduardo, 11.
“Para você ter uma ideia, era para eu ter embarcado às 13 horas, mas acabei perdendo o ônibus porque não havia o nome da empresa na lateral do veículo, e sim de uma empresa parceira. Por causa disso, só vou poder embarcar às 22 horas, em outro ônibus”, disse. “Ou seja, para receber a pensão de um salário mínimo terei de pagar quatro passagens de R$ 48, porque meu filho me acompanha, e, no mínimo, mais R$ 50 para a nossa alimentação aqui na rodoviária”, acrescenta.
Mesmo não tendo de pagar sua passagem de Brasília a Barreiras (BA), por ter o braço parcialmente amputado, Sinvaldo Moura, 66, reclama do aumento. “Quase sempre viajo acompanhado de alguém. Ninguém falou desse aumento. A gente acaba sendo pego de surpresa. Como quem viaja de ônibus geralmente tem o dinheiro contado pode acabar passando dificuldades. Aí o sujeito acaba tendo de gastar o dinheiro da comida e viajar com fome”.

De acordo com a ANTT, os reajustes das tarifas de ônibus interestaduais são calculados com base em custos da operação do serviço, como combustíveis, lubrificantes, peças e assessórios e pagamento de funcionários.
Publicado em 01/07/2012 no site http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2012-07-01/passagens-de-onibus-interestaduais-e-internacionais-ficam-mais-caras.html

Ônibus do Brasil já circula em Londres

ônibus Olímpico
Um dos ônibus da delegação brasileira nos Jogos Olímpicos já está circulando em Londres, a serviço da equipe de natação. O veículo ostenta a imagens de medalhistas brasileiros de diversas modalidades. O Comitê Olímpico Brasileiro vai oferecer aos atletas durante os jogos quatro ônibus, 12 minivans e seis carros utilitários. Divulgação COB – Comitê Olímpico Brasileiro.

Ônibus do Brasil já circula em Londres
Veículo traz imagens de atletas brasileiros, com destaque para o vôlei.
ADAMO BAZANI – CBN

Um dos ônibus que vai transportar a delegação brasileira nas Olimpíadas de 2012 já pode ser visto em Londres, que vai sediar os jogos.
Predominantemente verde e azul, o ônibus traz adesivadas imagens de atletas do Brasil, em especial estrelas do vôlei.
Entre as fotos estão de Giba, Ricardo e Emanuel.
Há esportistas de outras modalidades retratados na lataria do ônibus: Rodrigo Pessoa (hipismo), Maurrem Maggi (atletismo) e César Cielo (natação).
Atualmente, o ônibus é usado pela equipe de natação brasileira que trabalha no Centro de Treinamento Crystal Palace, que servirá de base para os atletas de outras modalidades antes e durante os jogos olímpicos.
O Comitê Olímpico Brasileiro desenvolveu um planejamento de logística que contará com quatro ônibus, doze minivans e seis carros utilitários com a logomarca do Brasil. Outros veículos descaracterizados podem ser usados pelos atletas e dirigentes.
Os ônibus e demais carros vão levar os esportistas do Crystal Palace até os locais de jogos e outros pontos de treinamento.
Os locais percorridos serão Londres, Weymouth e Sheffield.
Os veículos que vão transportar o Time Brasil a partir de 1º de julho são da Nissan, patrocinadora do evento.

Publicado em 12/06/2012 porAdamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus