Palestra para Motoristas

Palestra para Motoristas
Arquivo: HighPluss Treinamentos, 2017.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

China vai exportar para o Brasil ônibus completos neste semestre


ônibus Chinês
Ônibus da Sunlong Bus – Shanghai Shenlong Bus Co., Ltd. A empresa chinesa anunciou que no primeiro semeste deste ano começa a importar primeiras unidades de ônibus completos para o Brasil. Já há 18 ônibus encomendados, garante. – Foto ILUSTRATIVA!
Outra fabricante de ônibus chineses deve ter negócios no Brasil
Sunlong Bus deve iniciar vendas para o mercado brasileiro no primeiro semestre deste ano
ADAMO BAZANI – CBN
Primeiro foi com os carros e depois com os caminhões. A entrada dos chineses no vasto mercado de ônibus no Brasil, um dos maiores do mundo, era apontada como uma “questão de tempo”.
Os holofotes estão para a BYD – Build Your Dreams que já testa ônibus elétricos puros, que dependem apensas de baterias para funcionar, e pretende neste ano construir uma planta no interior de São Paulo.
Mas outra chinesa anunciou investimentos no Brasil. A Sunlong Bus – Shanghai Shenlong Bus Co., Ltd.
A empresa, que possui um sócio brasileiro, Mauri Moreira de Oliveira, vai exportar já neste primeiro semestre ônibus da China para o Brasil.
O centro de distribuição será em Juiz de Fora, Minas Gerais. A instalação da unidade de 80 mil metros quadrados já foi acertada com o município e com o governo estadual. Os investimentos para o incido das operações vão ser em torno de US$ 15 milhões.
A entrada no mercado brasileiro ocorreu depois de três anos de negociações com a matriz na China e segundo Mauri, ao “Automotive Bussines” serão importados ônibus completos. Já há interessados na compra de 18 unidades.
Os modelos ainda precisam ser homologados para o mercado brasileiro.
Todos os ônibus terão de série suspensão a ar, ar condicionado e os obrigatórios freios ABS.
Os modelos urbanos terão 12 metros de comprimento e os rodoviários de 9 a 12 metros. Inicialmente serão ônibus movidos a diesel, já de acordo com as normas internacionais de restrição a poluição Euro V, seguidas pelo Brasil, mas a empresa diz que possui tecnologia para fazer ônibus híbridos e a células de combustível – hidrogênio e deve entrar no mercado com estes modelos numa segunda etapa de negócios.
Os ônibus importados abrem caminho para o setor financeiro da China. Por não terem fabricação nacional, não podem ser financiados pela linha Finame com recursos do BNDES. Mas um banco chinês promete entrar no negócio para deixar taxas de juros e prazos atrativos.
Depois de dois anos, a empresa pode começar a fabricar no Brasil.
À repórter Giovanna Riato, Mauri disse que os clientes da Busscar fazem parte da estratégia da empresa chinesa:
“Estamos focando no nicho que era atendido pela Busscar”, conta Oliveira, referindo-se à encarroçadora catarinense que faliu em 2012. “O mercado brasileiro tem espaço para todo mundo e queremos complementar a oferta de produtos.”
Publicado em 24/02/2014 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Palestra "Administração dos Conflitos nos Transportes"




Agende sua palestra!


Público-alvo: 

Caminhoneiros,
Carreteiros,
Estradeiros
Motoristas,
Futuro Motorista.






Contato: treinamentos@highpluss.com.br

HighPluss Treinamentos agradece sua confiança e preferência. 

Muito Obrigado!

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Marcopolo dá início às comemorações dos 65 anos na Festa da Uva

ônibus Marcopolo Paradiso 1800 DD
Marcopolo Paradiso 1800 DD no estande da encarroçadora na Festa da Uva – edição de 2014. Marcopolo completa 65 anos de atividades. Operando desde 06 de agosto de 1949, quando foi fundada como Carrocerias Nicola, a empresa tem a história interligada com a memória do desenvolvimento da Serra Gaúcha. Presente nas principais atividades da comunidade de Caxias do Sul, a Marcopolo participa da Festa da Uva desde 1958. Foto: Gelson Costa.
Marcopolo começa a comemorar os 65 anos na Festa da Uva
Empresa expõe modelos atuais e material histórico. História da encarroçadora faz parte da memória do crescimento da Serra Gaúcha
ADAMO BAZANI –CBN
No dia 06 de agosto de 1949, os irmãos Nicola – Dorval Nicola, Nelson Nicola, João Nicola e Doracy Luiz Nicola -, davam início às atividades da que hoje é uma das maiores encarroçadoras de ônibus do mundo, sem exageros.
A “Carrocerias Nicola Manufaturas Metálicas S/A”, que em 1974 se formalizaria em Marcopolo S/A Carrocerias e Ônibus, completa em 2014, 65 anos de atividades.
Com uma história intensa e se tornando uma multinacional brasileira, a fabricante de ônibus se expandiu para diversas regiões do mundo. Além do empreendedorismo de Pedro Paulo Belini, ainda hoje presidente da empresa e que entrou na encarroçadora em 1951 , ficando na Nicola mesmo quando a empresa não tinha mais nenhum irmão Nicola em seu quadro societário, e de diversos modelos que foram destaque e criaram tendências no mercado de ônibus, a Marcopolo possui vários marcos.
Um deles é a proximidade com a comunidade de sua cidade de origem, onde mantém as principais plantas fabris até hoje, Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, participando de várias atividades tradicionais, como a Festa da Uva.
Desde 1958, na época da Nicola, a empresa participa da festa.
E agora na 30ª Edição da Festa da Uva, que vai de 20 de fevereiro a 09 de março de 2014, a fabricante escolheu a tradicional atividade de Caxias do Sul para dar início às comemorações dos seus 65 anos de operações.
Para isso, a Marcopolo preparou um estande especial com imagens que mostram a história da empresa e dos transportes no Brasil e que revelam uma parte da história do País, dada a importância dos ônibus no dia a dia das pessoas. A encarroçadora também vai exibir modelos de ônibus e minionibus atuais com vistas a novos negócios e para enfatizar a ligação da marca com a Festa da Uva e com as tradições de Caxias do Sul.
Entre os modelos de grande porte estão o Marcopolo Paradiso 1800 DD – Double Decker, ônibus de dois andares rodoviário de alto padrão, e o Marcopolo Viale BRT, ônibus urbano articulado, que segue os conceitos operacionais dos corredores de ônibus modernos do tipo BRT – Bus Rapid Transit – apontados como uma das principais soluções para a mobilidade urbana em todo o mundo, podendo ser integrados às redes de metrô e trens urbanos.
No estande da Visate – Viação Santa Terezinha, empresa urbana de Caxias do Sul, também está exposto um Marcoplo Torino da nova geração, lançado no ano passado, e que traz evoluções ao modelo que está há mais de 30 anos no mercado.
Em nota à imprensa especializada, a Marcopolo explica as principais características do Paradiso 1800 DD e do Viale BRT expostos:
“O Marcopolo Paradiso 1800 Double Decker possui computador de bordo com sistema de telemetria, 28 lugares no piso superior e nove no inferior, ambos com poltronas leito. Conta também com aquecedor de alimento, sistema de ar-condicionado e sanitário com sensor de fumaça. O Viale BRT (Bus Rapid Transit) possui transmissão automática e capacidade para 66 passageiros em pé e 44 sentados”.
Já a unidade de veículos leves da Marcopolo, a Volare, também expõe modelos destinados a diversas aplicações, com destaque, segundo nota da empresa para:
- Volare V8 4×4 Escolarbus: é usado pelo Programa Caminho da Escola para o transporte de estudantes em zonas rurais de todo o Brasil. O veículo tem eixo dianteiro tracionado e sistema de transmissão com as opções 4X2 (somente tração nas rodas traseiras), 4X4 (tração nas rodas dianteiras e traseiras) e 4X4 com reduzida (alcance do torque máximo do motor em baixa velocidade).
- Volare Business: unidade móvel de atendimento a clientes podendo ser utilizado em feiras e eventos, como na Festa da Uva, para apoio ao estande e local idealizado para reuniões de negócios. Projetado com configuração interna diferenciada, o Volare Business tem, na sua parte traseira, exclusiva sala de reunião com mesa, poltronas executivas, monitor LED de 42 polegadas e armários embutidos. No salão de passageiros, conta com bar personalizado, mesas para atendimentos, monitores de TV – LCD, poltronas de couro, computadores e impressora.
A festa da Uva mostra aspectos da influência dos imigrantes italianos na história do Rio Grande do Sul.
É tradição na Itália realizar festas e reverências à colheita como forma de ligar as pessoas à necessidade de ser grato pelos alimentos e pela prosperidade.
Eram realizadas várias festividades na região da Serra Gaúcha, quando em 1881, as principais foram unificadas na Feira Agro-Industrial.
Além de ser oportunidades de negócios, as feiras também serviam para interesses da comunidade. Em 1898 angariou fundos para ajudar na construção da Catedral de Caxias do Sul.
A cada edição da Feira Agro-Industrial, novidades iam surgindo, desde novos produtos que eram cultivados até lançamentos de tratores e outros maquinários agrícolas.
Diante desta diversidade, para não dispersar a atenção dos visitantes e não prejudicar os negócios, a comunidade decidiu fazer festas temáticas com os principais produtos da Serra Gaúcha. Em 7 de março de 1931, era realizada a primeira Festa da Uva.
Por causa da Revolução da década de 30 e da Segunda Guerra Mundial, a Festa da Uva foi interrompida.
A festa só voltou a ser realizada em 1950. Mas neste ano, a produção vitivinícola já não era mais a principal atividade econômica de Caxias do Sul. Nesta época, já se destacava o setor metalmecânico, do qual a Nicola (depois Marcopolo) fazia parte.
Neste setor também foi grande a participação de famílias italianas.
Publicado em 16/02/2014 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Blogpontodeonibus.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Governo Federal sinaliza que não deve incentivar transporte público. Transporte individual ainda é prioritário, na prática

onibus
Ônibus urbano. Ministério da Fazenda sinaliza que Governo Federal não vai apoiar o Reitup, regime que desonera as empresas de transportes em troca de investimentos em modernização, integração e redução das tarifas. Presidente da FNP – Frente Nacional de Prefeitos, José Fortunati, disse que isso mostra a opção do Governo Federal pelo transporte individual. Com o Reitup, o Governo Federal teria renúncia de R$ 1 bilhão por ano em arrecadação de impostos. Com a diminuição do IPI sobre os carros, renúncia fiscal somente em 2013 foi de R$ 11 bilhões. Foto: Adamo Bazani.
Governo Federal sinaliza que não deve dar incentivo aos transportes públicos
Desonerações sobre os transportes criariam renúncia fiscal de R$ 1 bilhão por ano. Só com a redução do IPI para automóveis particulares, equipe de Dilma Rousseff abriu mão de R$ 11 bilhões em 2013.
ADAMO BAZANI – CBN
Com CBN Brasília

“Frustrante”. Foi assim que o presidente da FNP – Frente Nacional de Prefeitos, José Fortunati, prefeito de Porto Alegre, classificou a reunião nesta terça-feira, dia 04 d fevereiro de 2014, com o secretário-executivo-interino do Ministério da Fazenda, Dyogo Henrique de Oliveira.

A pasta da equipe econômica da presidente Dilma Rousseff sinalizou que não vai dar apoio à proposta do Reitup – Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano de Passageiros, que propõe a desoneração tributária dos serviços de mobilidade urbana em troca de barateamento das tarifas, implantação de sistemas integrados, no estilo do Bilhete Único, e de investimentos em renovação e modernização da frota.
As empresas operadoras de transportes públicos, sejam públicas ou privadas, seriam, pela proposta, isentas do PIS e Confins para a compra de combustíveis, pneus, chassis de ônibus e implementos ferroviários. Os investimentos em redução das tarifas e melhorias no sistema seriam obrigatórios e proporcionais aos benefícios tributários.
A alegação do Governo Federal é de que a implantação do Reitup seria “tecnicamente complicada”.
Fortunati disse na saída do encontro que a postura mostra que ainda o Governo Federal prefere priorizar o transporte individual ao público.
Segundo ele, com o Reitup, que está em tramitação no Congresso Nacional, o Governo Federal deixaria de arrecadar de maneira direta R$ 1 bilhão por ano. Só em 2013, com a redução do IPI – Imposto Sobre Produtos Industrializados – para carros de passeio, o Governo Federal deixou de arrecadar R$ 11 bilhões.
“O transporte urbano não é um problema somente dos prefeitos. É também um problema dos governadores e do governo federal. O governo federal tem feito uma opção pelo automóvel” – disse Forunati.
Ele ainda acrescentou que se incentivar o transporte coletivo, aí sim o Governo Federal estará fazendo de fato uma política para a elevação da renda dos brasileiros com retorno maior para os cofres públicos que o proporcionado pelo incentivo aos carros de passeio.
Mais pessoas teriam acesso aos transportes de qualidade, produziriam mais e também teriam um ganho maior. Além disso, com tarifas menos pesadas para o bolso do trabalhador, ele pode vir a consumir mais.
Fortunati ainda acrescentou que a decisão de incentivar ou não os transportes públicos é mais política do que técnica e que desonerar o “sonho do brasileiro”, no caso o automóvel, pode ter mais impacto nas eleições apesar de não contribuir com o trânsito e os níveis de poluição e qualidade de vida nas cidades.
No ano passado, os deputados aprovaram a inclusão dos transportes públicos na categoria de direito social na Constituição, o que facilitaria desonerações e maior participação do Governo Federal na mobilidade urbana, mas o texto é bem genérico e sem parâmetros para que esse direito venha a ser garantido na prática.
A PEC – Proposta de Emenda à Constituição do transporte como direito social ainda precisa ser votada em dois turnos no Senado antes de ser aprovada pelo Congresso.
Só aí irá para sanção ou não da presidente.
A FNP – Frente Nacional de Prefeitos deve tentar reuniões com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, para tratar do tema.
Medidas como PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, voltado para a mobilidade urbana, e algumas desonerações são consideradas pela FNP importantes, mas medidas pontuais, de curta duração. O Reitup seria um regime que poderia criar uma política pública e tributaria nacional para que o transporte fosse mais acessível para toda a população.
Estima-se que no Brasil, cerca de 30 milhões de pessoas não usam o transporte coletivo porque não têm dinheiro para o pagamento das passagens de ônibus, metrô e trens, o que é uma exclusão social, segundo o presidente da entidade que reúne os prefeitos.
Publicado em 04/02/2014 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes. Com CBN Brasília. Blogpontodeonibus.

Inmetro cria padrões de qualidade e passará a certificar freios de veículos


Teste de frenagem - Mercedes-Benz Actros MP IV
As fabricantes de veículos terão 24 meses para adequar a produção a novas normas fixadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) para a fabricação, importação e comercialização dos freios. Já os comerciantes deverão adequar os estoques em até 42 meses. A portaria com as novas exigências foi publicada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio no dia 28 de janeiro.
O regulamento estipula os requisitos mínimos de qualidade para as peças e foi adotado em razão do risco de acidentes decorrente da má qualidade das peças utilizadas na fabricação de alguns freios. Com a medida, até o final do prazo de adequação o Inmetro desenvolverá um programa de avaliação compulsória e certificação dos freios.
Segundo o diretor de Avaliação da Conformidade do Instituto, Alfredo Lobo, a iniciativa “deve coibir a venda de peças de baixo custo e com qualidade e segurança duvidosas”.
As exigências valem para materiais de atrito destinados ao uso em freios de automóveis, camionetas, caminhonetes, comerciais leves, caminhões, caminhões-tratores, ônibus e micro-ônibus. Mas as regras não se aplicam para o produto destinado a veículos com menos de quatro rodas, máquinas e implementos agrícolas.
Publicado em 06/02/2014 por Rafael no Blog do Caminhoneiro.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Palestra Motivacional para Motoristas

Fonte: HighPluss, 2014.

A HighPluss Treinamentos oferece a "Palestra Motivacional para Motoristas". 
Agende sua palestra!

Vivemos num momento de mudanças rápidas na sociedade, sendo que é exigido dos motoristas uma constante revisão do modelo mental na busca por um transporte rodoviário mais seguro, confiável e próspero na sociedade.

Contato: treinamentos@highpluss.com.br

HighPluss Treinamentos agradece sua confiança e preferência. 

Muito Obrigado!