Palestra para Motoristas

Palestra para Motoristas
Arquivo: HighPluss Treinamentos, 2017.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Ônibus em Natal terá botão de pânico

Ônibus em Natal. O número de assaltos a veículos de transporte coletivo na capital do Rio Grande do Norte tem preocupado empresas, passageiros e profissionais do setor. Para tentar amenizar os problema as empresas acabam tomando ações que deveriam ser da área de segurança pública e contam com a ajuda da tecnologia para isso. Já está sendo testado em alguns ônibus municipais uma espécie de botão de pânico que ao ser acionado pelo motorista ou cobrador pode avisar o sistema da Polícia Militar em tempo real a ocorrência de assaltos ou mesmo a presença de pessoas suspeitas dentro dos veículos. A Polícia Militar e o Sindicato das Empresas de Ônibus negociam um convênio para que os veículos tenham equipamentos de monitoramento por GPS semelhante aos usados pelas viaturas da PM, havendo conexão entre os sistemas para facilitar a localização do ônibus atacado e dos criminosos. Enquanto empresas e conseqüentemente passageiros vão acabar assumindo um papel do estado que é cuidar da segurança, a queixa é que ações básicas como aumento de efetivo de policiais em locais de maior incidência dos crimes e investigação posterior aos registros de Boletim de Ocorrência não estão sendo tomadas como deveriam. A secretaria de segurança pública diz que investiga os casos, mas que trata as ocorrências como quaisquer outras da mesma natureza, não podendo privilegiar as ações que envolvam transporte coletivo.

Ônibus de Natal testam Botão de Pânico
Iniciativa é para tentar reduzir o alto índice de assaltos aos veículos de transportes coletivos da capital do Rio Grande do Norte.
ADAMO BAZANI – CBN

O grande número de assaltos a ônibus em Natal, no Rio Grande do Norte, tem assustado passageiros, funcionários dos sistemas e empresas.
Só neste ano, foram registradas mais de 30 ocorrências.
Por causa das ações, motoristas e cobradores de ônibus fizeram paralisações na cidade, em 25 de janeiro de 2012, bloqueando com os veículos as principais vias da região central.
Cuidar da segurança, que deveria ser um dever do estado, será mais um encargo assumido pelas empresas de ônibus e consequentemente pelos passageiros.
As companhias de ônibus devem investir em tecnologia para coibir as ações dos criminosos.
Já está em teste em alguns ônibus do sistema municipal uma espécie de botão de pânico, que fica escondido no veículo, e pode ser acionado pelo motorista ou cobrador em caso de assalto ou mesmo presença de pessoas suspeitas nos ônibus.
Ao ser acionado o botão, é enviado um alerta ao sistema da polícia.
As empresas de ônibus devem investir também em equipamentos de monitoramento por GPS semelhantes aos usados pelas viaturas da Polícia Militar na cidade e região metropolitana.
Assim, o sistema dos ônibus poderá ser integrado com o Ciosp – Centro Integrado de Operações de Segurança Pública.
Desta forma, será mais fácil para empresas de ônibus comunicarem em tempo real as ocorrências e a polícia saber com precisão a localização dos veículos e dos criminosos.
A Polícia Militar está em negociação com o Seturn – Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Ro Grande do Norte para fechar um convênio com o objetivo de permitir que as empresas de ônibus tenham conexão com o sistema de monitoramento da PM.
Monitores de TV e câmeras de segurança nos ônibus devem ter o número ampliado para não só coibir, mas identificar os criminosos.

E A BOA E VELHA INVESTIGAÇÃO?

Apesar do uso de tecnologias ser apontado como positivo no combate às ocorrências de roubos e assaltos aos ônibus, ações básicas de segurança pública, segundo denunciam motoristas, cobradores, passageiros e empresas, têm deixado se ser tomadas de forma eficiente.
Além de um papel preventivo da Polícia Militar, em rondas e com efetivo maior nas áreas onde ocorrem a maioria das ações, a queixa é a ausência de investigação das ocorrências.
Os Boletins de Ocorrência são registrados mas os casos não recebem acompanhamento por parte da Polícia Civil como deveriam.
A secretaria de segurança pública do Estado do Rio Grande do Norte contesta a reclamação e disse que as investigações são feitas, mas que os casos de assaltos a ônibus devem ser tratados como qualquer ocorrência da natureza e que não deve haver privilégios nas investigações só porque se tratam de roubos a ônibus.
A Polícia Civil afirmou ainda ter pelo menos 12 fotos de suspeitos de assaltarem ônibus constantemente e não descarta a ação de grupos especializados.

Publicado em 30/01/2012 por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.
Blogpontodeonibus

Nenhum comentário:

Postar um comentário